E assim vamos

O Tiago Carrasco trabalhou comigo, discutíamos viagens no chão da copa que ficava dentro da casa de banho das mulheres porque não tínhamos dinheiro para ir comer fora. Já não o devo ver há anos que o tempo anda de skate, mas sempre que tenho dúvidas sobre o que ando para aqui a fazer, é a ele que mando uma mensagem.

Como ontem: “Diz-me que estás a fazer algo interessante para eu ficar já motivada”. E estava, claro. “Tem calma e não desistas do jornalismo. Até sentires que o jornalismo desistiu de ti e, nesse caso, mesmo que custe muito, os motivos não podem ser económicos. E contra a minha pobreza franciscana falo.”

O Tiago é o meu barómetro sobre o estado do jornalismo em Portugal. Quando um tipo destes não tem trabalho, quando um tipo destes não é pago para andar a chafurdar nos males do mundo, tem de haver algo na rotativa a girar completamente ao contrário. Se tiverem um minuto, usem-no a ler esta crónica.

Já se viveram dias mais animados aqui no estaminé mas amanhã já passa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s