Varela

É A praia da Guiné-Bissau. Paradisíaca, é visitada por meia dúzia de turistas de fim-de-semana e pelos habitantes da tabanca que ali vão pescar. Pegam na piroga e é vê-los mar adentro, aparentemente sem rumo. A sensação é que vivem hoje como viviam há milhares de anos atrás. Ao contrário do Arquipélago dos Bijagós, onde, à excepção de Bubaque, todas as ilhas que visitei estão desertas, Varela tem gente dentro.

A herança colonial é forte, há ruínas de um hotel à beira-mar que começou a ser construído mas nunca foi terminado. De casas que já foram grandes, bonitas, solarengas e estão agora na posse de donos que se apoderaram da propriedade através de uma simples inscrição na parede que diz “ocupada pelo grupo…”. Sem mais. E quando eu digo que foi na Guiné que presenciei as acções e diálogos mais democráticos, é também disto que falo.

Foi há dois fins-de-semana que lá estive. Fiz um dos melhores tratamentos anti-celulíticos disponíveis no mercado que consiste em percorrer a estrada de  50 km de terra batida que vai de São Domingos até ao Hotel da Fá, onde ficámos a dormir (e a comer e beber que nem alarves). Nadei até uma piroga que estava lá no mar alto (bom, se calhar era mais a uns quatro metros da costa mas isso não interessa nada) e era comandada por um miúdo de 9 anos que vim a saber ser principiante na matéria. Tive tanto medo de me tornar chicha na boca dos tubarões (que não existem) que fiquei com os joelhos todos esmurrados da força que exerci contra a madeira.

Li, corri, fiz a roda e o pino. Fui para a praia numa noite de Lua Cheia conversar sobre Platão e Sócrates. Sobre o modelo hitleriano de educação. Sobre as convenções que nos são impostas e a imbecilidade de contarmos 2013 anos e não 2 milhões ou 4… Instituímos que para nós, os cinco, este seria o ano um. E rimos, a chorar quase, com a ideia de fazer um sketch sobre o assunto.

Tive um fim-de-semana de adolescentes com conversas de adultos lunáticos numa praia paradisíaca onde a natureza está tão perto que, sem dizer uma palavra, é quem coordena as rédeas. E, de repente, serão poucos os cenários mais perfeitos de que me consigo recordar.

1 13 12 11

9 8 7 3 4 5 6

10

última

2 thoughts on “Varela

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s